https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/issue/feed Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores 2020-08-20T12:54:53+00:00 José Jardilino jrjardilino@gmail.com Open Journal Systems <div class="home-box"> <p>A "Formação Docente" – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, publicação digital sob a responsabilidade editorial do Grupo de Trabalho- GT "Formação de Professores" (GT08), da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), em coedição com a Editora Autêntica.</p> </div> https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/358 Apresentação 2020-08-13T20:23:59+00:00 José Rubens Lima Jardilino jrjardilino@gmail.com 2020-07-28T20:13:36+00:00 Copyright (c) 2020 José Rubens Lima Jardilino https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/355 Preâmbulo aos temas Gênero e Sexualidade na Formação Docente 2020-08-13T20:24:24+00:00 Margareth Diniz dinizmargareth@gmail.com Ana Guil anaguil@us.es <p>O que este dossiê sobre gênero e formação docente visa é recolocar em discussão no campo da formação docente uma categoria que tem sido invisibilizada, subsumida, pouco tratada no campo da educação, especialmente na formação docente, por meio de artigos que problematizem a categoria gênero e sexualidade na educação e na formação, trazendo à tona a categoria, interrogando sua pregnância binarista nos discursos e na atuação de professoras e professores ao perpetuar premissas de ensino e aprendizagem que poderão, por um lado, estar comprometidos com o discurso de ódio, da escola sem partido<a href="#_ftn1" name="_ftnref1">[1]</a>, ou, por outro, rumo à defesa da pluralidade de gêneros, dos direitos à diferença e à diversidade e suas performances, sem que sofram&nbsp; rechaço e segregação de seus corpos.</p> <p>&nbsp;</p> <p><a href="#_ftnref1" name="_ftn1"></a>&nbsp;</p> <p>&nbsp;&nbsp;</p> 2020-07-28T00:00:00+00:00 Copyright (c) 2020 Margareth Diniz, Ana Guil https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/343 Professores e Igualdade na Espanha. Notas legislativas Profesorado e Igualdad en España. Aspectos legislativos 2020-08-13T20:23:33+00:00 Consuelo Flecha-García cflecha@us.es <p>Este artigo descreve a trajetória jurídica que na Espanha acompanhou ações em favor da igualdade de oportunidades entre mulheres e homens nas escolas. Especificamente, sobre a formação inicial e contínua de professores para poder intervir nas transformações que a igualdade exige. Uma jornada de três décadas de propostas para conscientizar e reverter certezas herdadas. Ele descreve como a legislação espanhola delineou as etapas necessárias para incluir esse tipo de treinamento nos programas de treinamento inicial e contínuo de professores, e também oferece uma abordagem às publicações que refletem a resposta a esses regulamentos.</p> <p><strong>PALAVRAS-CHAVE</strong>: Espanha. igualdade. professores. mulheres. legislação.</p> 2020-07-28T20:20:41+00:00 Copyright (c) 2020 Consuelo Flecha-García https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/348 Docência nas fronteiras: quilombo, raça e gênero 2020-08-13T20:23:08+00:00 Shirley Aparecida Miranda mirandashirley48@gmail.com Jairza Fernandes Rocha da Silva professorajairza@gmail.com <p>Os quilombos no Brasil consistem no mais evidente mecanismo de enfrentamento ao sistema escravista, emblema da resistência coletiva que constitui a diáspora africana. Em 2012 foram publicadas as diretrizes curriculares nacionais para a educação escolar quilombola. As recomendações e desafios dessa modalidade de educação dirigem-se às professoras. Poderíamos falar então em uma docência quilombola? Esse artigo discute essa indagação a partir das narrativas de quatro professoras que se reconhecem quilombolas, se autodeclaram negras e atuam em escolas situadas nos territórios onde vivem. Seguimos nas trilhas das narrativas para evidenciar quem são e como se formaram docentes quilombolas e que deslocamentos produzem para a relação entre gênero e docência. O artigo está organizado em cinco tópicos. Após a introdução, discutimos os percalços da formação docente das professoras entrevistadas. No terceiro tópico refletimos sobre a relação gênero e raça e as desestabilizações que propõem a uma análise da profissão docente. No tópico seguinte, situamos as fronteiras em que constroem a docência quilombola e palavras finais</p> 2020-07-28T20:36:57+00:00 Copyright (c) 2020 Shirley Aparecida Miranda https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/352 Formação de professoras na Colômbia: dois projetos, duas tendências - 1874 – 1903 2020-08-13T20:22:42+00:00 Gabriela Hernandez-Vega gahve2003@gmail.com <p>Este artigo é parte do projeto de pesquisa "Mulheres na construção da nação colombiana" e refere-se à preparação profissional de professores para escolas de meninas em dois momentos da história da Colômbia em 1874 e 1903. Um tempo em que por mais de cinquenta anos a formação de professores e mulheres dependia das demandas impostas pelo poder político dentro de duas tendências que, em princípio, eram consideradas inconciliáveis: o que foi proposto pelos liberais radicais e, por sua vez, o que foi proposto pelo conservadores. Parte dessa tensão se materializou nas Escolas Normais como instituições organizadas por cada um dos dois poderes, para a preparação dos(as) professores(as) dentro de suas respectivas idéias políticas.&nbsp; A questão central nesta parte da pesquisa focou-se em compreender o significado da formação dos professores em cada um dos setores políticos referidos, portanto, quais eram as diferenças fundamentais em relação à formação docente que apresentaram os duas políticas educacionais, liberais e conservadoras? Para a leitura e análise das propostas educacionais, utilizou-se o apoio teórico da História Social, o Feminismo descolonial a partir da categoria de gênero, próprios para a análise histórica proposta por Joan Scott. Levando em consideração as mudanças e determinações políticas no país desde meados do século XIX e as três primeiras décadas do século XX, as fontes para a realização do estudo basearam-se principalmente na leitura dos regulamentos em vigor no período, referente às mulheres incorporadas nas Constituições de 1863 e 1886, Código Civil de 1887; o Decreto Orgânico de Instrução Pública de 1870 -DOIP-, Decreto 4 de 1874, Lei 39 de 1903 e Decreto de 1904, bem como a caracterização geral dos valores predominantes na cultura colombiana em relação ao comportamento feminino e a Concordata entre Leão XIII e Rafael Núñez pelo papel da religião católica na educação.</p> 2020-07-28T20:41:24+00:00 Copyright (c) 2020 Gabriela Hernandez-Vega https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/356 Igualdade de gênero e abordagem por competências: dificuldades na formação de professores 2020-08-20T12:54:53+00:00 Ramón Pacheco ramongp@us.es Elena Zubiaurre ezubiiba@uax.es <p>A generalização da abordagem de competência do treinamento obrigatório oferecido aos futuros professores do sistema educacional espanhol parece tecnicamente fundamentada, acompanhada de uma suposta vocação de neutralidade que o torna incontestável, mas que se sobrepõe a uma lógica processual altamente dependente da implementação. Acreditamos que isso favorece a perda da capacidade reflexiva dos sujeitos do conhecimento. Isso contribui para o fortalecimento das representações discriminatórias com as mulheres, passando despercebidas pelas ferramentas metodológicas que a mesma abordagem oferece à comunidade educacional. Defendemos aqui que essa abordagem é parte fundamental de um projeto maior promovido por organizações internacionais, para a implantação de um modelo ideológico neoliberal por meio da institucionalização da racionalidade cognitiva. Da mesma forma, denunciamos a impotência do modelo contra os mandatos de gênero, devido à sua incapacidade de acessar os níveis em que os significados historicamente atribuídos a mulheres e homens são imóveis.</p> 2020-07-28T20:44:47+00:00 Copyright (c) 2020 Ramón GP PACHECO, Elena Zubiaurre https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/336 Formação e prática docente: sobre a visibilidade das professoras lésbicas. 2020-08-13T20:20:55+00:00 Cláudia Vianna cpvianna@usp.br Tatiana Caravalho tatianafeusp@gmail.com <p>Este artigo traz reflexões que foram aprofundadas em uma pesquisa qualitativa sobre professoras lésbicas na Educação Básica. De modo geral, a questão que se coloca é: quais são os distintos significados de ser uma professora lésbica na Educação Básica, tendo em vista o tabu que isso ainda representa no meio escolar e as necessidades de uma educação de respeito pela diversidade? Esta consideração é fundamental, especialmente no atual momento vivido em nosso país, em que essa construção legítima de existência está sob ataque.</p> <p>Além disso, problematizar a importância dessa questão na própria formação docente, sendo a visibilidade ou invisibilidade construída por essas professoras sempre pedagógica, ajuda a erigir uma série de conhecimentos e impressões sobre a diversidade sexual.</p> 2020-08-07T21:20:32+00:00 Copyright (c) 2020 Cláudia Vianna https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/338 Pedagogizar corpos e conformar subjetividades: O sintagma ideologia de gênero como exercício colonizador da educação 2020-08-13T20:20:28+00:00 Carlos Magno Camargos Mendonça macomendonca@gmail.com Felipe Viero Kolinski Machado Mendonça felipeviero@gmail.com <p>No intuito de ponderar sobre a primordialidade da existência dos conteúdos que abordam questões de gênero, de educação sexual e de sexualidade nos currículos escolares e na formação docente inicial e continuada, este artigo indaga como a implementação da agenda de combate ao gênero, proposta por setores conservadores, referenda uma pauta de exclusões e violências. Supomos que extinguir tais temas dos currículos escolares e das políticas de formação docente busca perpetuar atos de dominação e opressão masculina, além de reduzir a capacidade crítica de docentes e discentes.</p> 2020-08-07T21:36:45+00:00 Copyright (c) 2020 Felipe Viero Kolinski Machado Mendonça https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/341 Quando as crianças viadas interpelam a docência 2020-08-13T20:20:03+00:00 Paulo Nogueira pauloqn@yahoo.com.br <p>O presente ensaio se propõe a pensar as relações de gênero e aspectos da diversidade sexual a partir das contribuições de um episódio televisivo, um texto de Eve Sedgwick e outro de Giancarlo Cornejo: enunciações em torno dos meninos efeminados. Postulamos que nos debruçarmos sobre as “crianças viadas” pode nos ajudar a compreender as hierarquias de gênero que provocam e sustentam as assimetrias entre distintas posições. Assim, a partir desse analisador, interroga-se a escola e a formação de professores e professoras para pensarmos como nos posicionarmos frente a essas crianças como expressões da diferença.</p> 2020-08-07T21:47:17+00:00 Copyright (c) 2020 Paulo Nogueira https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/339 Por uma educação não transfóbica: reconhecimento e produção de verdades trans na educação 2020-08-13T20:19:37+00:00 Marco Antonio Torres torresgerais@gmail.com Rubens Gonzaga Modesto rubensmodesto2006@yahoo.com.br Thaynara Martins da Costa de Menezes thaynaramc.menezes@gmail.com <p>Os relatos de pessoas trans sobre educação têm exposto insuficiências da formação docente que precisam ser problematizadas. No presente artigo analisamos como o discurso transfóbico impede ou dificulta extremamente a produção de inteligibilidade de formas de existência para além da cisheteronormatividade. Nossos diálogos teóricos foram realizados a partir de Judith Butler e Michel Foucault, bem como autoras trans que analisam o contexto escolar. Estas, com suas experiências, mobilizam e desenham transformações de regimes de verdade bem como podem contribuir no combate do discurso transfóbico. Por fim, destacamos um desafio posto à formação docente: aprender a deixar em aberto nossas definições sobre as sexualidades, abrindo-se às autodefinições de pessoas trans. Desse modo, nos propomos ao exercício de aprender com autoras trans sobre uma educação não transfóbica, de aprender como suas experiências podem produzir posições críticas no contexto da formação docente.</p> 2020-08-10T15:07:36+00:00 Copyright (c) 2020 Marco Antonio Torres, Rubens Gonzaga Modesto, Thaynara Martins da Costa de Menezes https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/314 Os planos curriculares de cursos em supervisão: um contributo para uma epistemologia da prática 2020-08-13T20:21:50+00:00 Jane do Carmo Machado janemachado@ua.pt Ana Isabel Andrade aiandrade@ua.pt Rui Neves rneves@ua.pt <p>Este estudo tem por objetivo apresentar uma reflexão sobre as possibilidades de construção de uma epistemologia da prática supervisiva a partir da análise da formação na área da supervisão, com incidência sobre os planos curriculares de cursos de Mestrado em Supervisão das Instituições de Ensino Superior (IES) Portuguesas. O estudo fundamenta-se em três perspetivas conceptuais orientadoras da ação supervisiva: i) a ação supervisiva como transformadora e emancipatória; ii) a articulação entre desenvolvimento profissional e interação colaborativa; iii) a supervisão e a construção de uma epistemologia da prática. Face às semelhanças dos planos curriculares de diversas Instituições de Ensino Superior Portuguesas em relação ao conteúdo programático, podemos sustentar que se defende uma proposta que oferece aos profissionais uma visão do campo da supervisão no terreno da prática, propiciando um espaço de desenvolvimento profissional a partir da reflexão sobre a prática educativa e/ou formativa.</p> 2020-07-28T20:57:18+00:00 Copyright (c) 2020 JANE DO CARMO MACHADO https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/281 A influência da indução de professores principiantes na qualidade de ensino no 1º grau do Ensino Básico em Moçambique 2020-08-13T20:20:11+00:00 Geraldo Deixa gdeixa@gmail.com Rosalino Subtil Chicote rschicote@gmail.com Elisa Carlos Gonçalves elisacarlosgoncalves@gmail.com <p><strong>RESUMO</strong>: Este artigo tem como objectivo analisar concepções sobre o processo pedagógico construídas por professores em início de carreira sem algum acompanhamento. A pesquisa decorreu em 2018 e foram selecionados dez professores que lecionam no Ensino Básico. Os sujeitos tinham entre 1 a 2 anos de experiência. Foi conduzida uma entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados em função da abordagem qualitativa. Os resultados indicam que as concepções sobre processos pedagógicos construídas pelos professores entrevistados se circunscrevem aos processos de colaboração entre professores iniciantes. Em contrapartida, a colaboração entre professores em início de carreira e os mais experientes se revela pouco exequível e problemática.</p> <p>&nbsp;</p> <p><strong>PALAVRAS-CHAVE</strong>:Colaboração. Indução a carreira. Desenvolvimento profissional.</p> 2020-08-11T16:23:32+00:00 Copyright (c) 2020 Geraldo Deixa, Rosalino Subtil Chicote https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/312 A formação de professores para a educação inclusiva de alunos com deficiências a partir da literatura 2020-08-13T20:21:21+00:00 Suelen Aparecida Felicetti suelen_jv80@hotmail.com Irinéa de Lourdes Batista Irinea@uel.br <p>Os professores de diferentes níveis de ensino nem sempre estão preparados para lidar com as especificidades de aprendizagem evidenciadas na Educação Inclusiva (EI ) de alunos com deficiências. A compreensão desta afirmação leva a questionar: como acontecem as discussões dos processos de formação inicial e em serviço com os professores voltados à educação por esta perspectiva? Para responder à problemática objetivou-se compreender, com base na literatura, como está sendo discutida a formação docente voltada à EI de alunos com deficiências. Realizou-se uma revisão da literatura a respeito da formação por esta perspectiva, a qual forneceu materiais para abordar algumas tendências, relacionadas com a compreensão de EI, os objetivos da formação, orientações para tal procedimento e dificuldades encontradas. Evidenciou-se que existe preocupação em formar professores pra consolidar a inclusão, ação que representa uma maneira de fortalecê-la frente aos alunos com deficiências.</p> 2020-07-28T21:06:16+00:00 Copyright (c) 2020 Suelen Aparecida Felicetti, Irinéa de Lourdes Batista https://www.revformacaodocente.com.br/index.php/rbpfp/article/view/311 Docência em Educação Infantil: diálogo entre filosofia da infância e psicomotricidade relacional 2020-08-11T20:17:46+00:00 Rosalina Rocha Araújo Moraes rosalina28@gmail.com Silvana Mendes Sabino Soares silsabinoso@gmail.com Ana Maria Monte Coelho Frota anafrota@ufc.br <p>A educação infantil assim como a docência nessa etapa educacional ainda enfrentam desafios em sua identidade. Face às discussões sobre direitos, currículos, práticas, avaliação, buscamos atender, adequadamente, às crianças. Diversas inquietações permeiam nosso imaginário e nutrem reflexões alinhavadas neste artigo que se propõe a um debate despretensioso de costuras e arremates; reflexivo e aberto ao processo de refazer-se à luz de tantas possibilidades de discussão sobre a docência na educação infantil. Das diversas lentes teóricas a partir das quais se pode abordar o assunto, priorizamos, neste estudo, a Filosofia da Infância e a Psicomotricidade Relacional: olhares distintos, porém similares nas concepções de crianças e infâncias. Essas abordagens oferecem contribuições substanciais à discussão em pauta, favorecendo uma construção da docência na educação infantil que fomente práticas comprometidas com a infância.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Copyright (c) 2020 ROSALINA ROCHA ARAÚJO MORAES, Silvana Mendes Sabino Soares, Ana Maria Monte Coelho Frota