Reformulação de cursos de licenciatura na Bahia: interesses e desafios subjacentes

Resumo

Este artigo traz os resultados de uma pesquisa que teve como objetivo investigar os principais desafios enfrentados por três Instituições de Ensino Superior – IES da Bahia, para reformular os cursos de licenciatura, com destaque para o curso de Pedagogia. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de natureza exploratória, cujos dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, realizadas com coordenadores e docentes do referido curso. Os resultados demonstraram que as reformulações foram realizadas a partir da influência das agências internacionais que exigem a elaboração de políticas educacionais de formação docente e adequação curricular nas licenciaturas para atender o mercado. Mas também, merecem atenção a falta de interesse dos alunos pelas licenciaturas devido à falta de garantia de retorno financeiro, além das condições sociais e econômicas desfavoráveis de grande parte desses discentes que necessitam de um olhar das políticas públicas para garantir o acesso e permanência para concluírem a formação inicial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlete Ramos dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

é Doutora em Educação; Professora Adjunta da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UESB; líder do Grupo de Estudos Movimentos Sociais, Diversidade e Educação do Campo – GEPEMDEC/CEPECH/CNPq.

Elisângela Andrade Moreira Cardoso, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

Mestre em Docência Universitária pela Universidade Tecnológica Nacional de Buenos Aires (UTN/AR), Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Membro do Grupo de Estudos Movimentos Sociais, Diversidade Cultural e Educação do Campo (CEPECH/DEP/UESC/UESB) e do Grupo de Pesquisa Didática, Formação e Trabalho Docente (DIFORT), da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), ambos cadastrados na CNPQ. Professora efetiva da Educação Básica na rede municipal de ensino de Vitória da Conquista/BA.

Claudio Pinto Nunes, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

Doutor em Educação; Professor Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da UESB; líder do Grupo de Estudos sobre Didática, Formação e Trabalho Docente (Difort/CNPq).

Referências

ARELARO, Lisete Regina Gomes. Formulação e implementação das políticas públicas em educação e as parcerias público-privadas: impasse democrático ou mistificação política? Revista Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 899-919, out. 2007.

BARÃO, Gilcilene de Oliveira Damasceno. O Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE): uma política educacional do capital. Boletim Germinal – Grupo de Estudos e Pesquisas Marxismo, História, Tempo Livre e Educação, nº 9, nov. 2009.

BRASIL. Constituição Federal do Brasil de 1988. Brasília, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei Federal nº 9.394/96. Brasília: Congresso Nacional, 1996a.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 14, de 12 de setembro de 1996. Modifica os Artigos 34, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e dá nova redação ao artigo 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Brasília, 1996b.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 53, de 19 de dezembro de 2006. Dá nova redação aos Arts. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao Art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Brasília, 2006.

BRASIL. O Plano de Desenvolvimento da Educação: análise do projeto do MEC. Revista Educação e Sociedade, Out 2007, vol. 28, nº 100, p.1231-1255.

BRASIL. Ministério da Educação. Decreto nº 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES no fomento a programas de formação inicial e continuada, e dá outras providências. Brasília, 2009.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União de 25 de junho de 2014. Brasília, 2014.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 2, aprovado em 9 de junho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília, 2015a.

BRASIL. Resolução nº 2, de 1º e julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, 2015b.
BRASIL. Decreto nº 8.752, de 9 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica. Presidência da República Básica. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos, 2016a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8752.htm. Acesso em: 25 abr. 2017.

CARDOSO, Elisângela Andrade Moreira; NUNES, Cláudio Pinto. O Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR): o ideal e a realidade vigente. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 6, p. 54-69, set./dez. 2017.

DOURADO, Luiz Fernandes. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica: concepções e desafios. Educação e Sociedade, Campinas, v. 36, nº. 131, p. 299-324, abr.-jun. 2015.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. A (nova) Política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação e Sociedade, Campinas, nº 100 – Especiais, p. 1203–1230, out. 2007. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 15 jan. 2018.

GATTI, Bernadete A. Formação de professores no Brasil: Características e problemas. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out-dez. 2010. Disponível em: Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v31n113/16.pdf

INEP. Censo da Educação Básica: resumo técnico. Brasília: INEP, 2015a. Disponível em: www.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/resumos_tecnicos . Acesso em: 01 jul. 2017.

INEP. Censo da Educação Superior 2015. Brasília, DF: MEC/INEP, 2015b. Disponível em: http://www.inep.gov.br/basica/censo/default.asp . Acesso em: 25 jul. 2017.

LIBÂNEO, José Carlos; PIMENTA, Selma Garrido. Formação de profissionais da educação: visão crítica e perspectiva de mudança. In: Educação e Sociedade. [online]. vol. 20, nº 68, p. 239-277, 1999. ISSN 0101-7330. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf&pid=S0101-73301999000300013&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 13 ago. 2017.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. Tradução Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 1981.

MÉSZÁROS, István. O poder da ideologia. Tradução Magda Lopes e Paulo Cezar Castanheira. 1 ed. 5 reimpr. São Paulo: Boitempo, 2014.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Mudanças na Organização e na Gestão do Trabalho na Escola. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; ROSAR, Maria de Fátima Felix. (Org.). Política e Gestão da Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

PEREIRA, Potyara Amazoneida Pereira. Política social: temas e questões. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, Arlete Ramos dos; CARDOSO, Elisângela Andrade Moreira. As Políticas Públicas Educacionais do PAR para a Formação do Professor do Campo em Vitória da Conquista/BA. Revista Prâksis. Novo Hamburgo, a. 14, v. 1, jan./jun. 2017.

SANTOS, Arlete Ramos dos; OLIVEIRA, Niltânia Brito; CARDOSO, Elisângela Andrade Moreira. O Plano de Ações Articuladas em Escolas do Campo na Bahia. In: Anais... III Seminário Internacional de Educação do Campo e III Fórum de Educação do Campo da Região Norte do Rio Grande do Sul: Resistência e Emancipação Social e Humana, Erechim/RS, 29, 30 e 31 de Mar. 2017.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e Educação: fundamentos ontológicos e históricos. In: Trabalho encomendado pelo GT – Trabalho e Educação. Anais... 29ª Reunião da ANPEd no dia 17 de outubro de 2006, em Caxambu.

SAVIANI, Dermeval. O Plano de Desenvolvimento da Educação: análise do projeto do MEC. Educação e Sociedade, Out 2007, vol. 28, nº 100, p.1231-1255.

SILVA, Marcelo Silva da; SANFELICE, Gustavo Roese. Profissionalização docente e as políticas públicas no campo da formação. Revista Prâksis, [S.l.], v. 2, p. 31-38, aug. 2008. ISSN 2448-1939. Disponível em: http://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistapraksis/article/view/649. Acesso em: 04 mar. 2017.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Três enfoques na pesquisa em ciências sociais: o positivismo, a fenomenologia e o marxismo. In: ______. Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1987. p. 31-79.
Publicado
30-08-2019
Como Citar
SANTOS, A. R. DOS; CARDOSO, E. A. M.; NUNES, C. P. Reformulação de cursos de licenciatura na Bahia: interesses e desafios subjacentes. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, v. 11, n. 21, p. 11-30, 30 ago. 2019.